logo  

JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Novembro 2017 - Nº 121 - I Série - Leiria

Leiria

Jorge Manuel Vieira Crespo

Entrevista ao Presidente da junta de freguesia de Bidoeira de Cima

Jorge Manuel Vieira Crespo

J.A.- Tendo havido alteração nos resultado eleitorais autárquicas de 2017, o que pensa sobre isso?
P.J.- Na nossa freguesia os resultados eleitorais renovaram o mandato aos eleitos em funções.

J.A.-Qual a sua Opinião sobre o OE para 2018?
P.J.- Ainda não tive oportunidade para me debruçar, em pormenor, sobre o OE 2018, sendo que a informação que disponho é a que passa na comunicação social.

J.A.- Em relação ao relatório sobre os incêndios de Pedrogão Grande, qual a sua opinião?
P.J.- Todos nós temos consciência que algo falhou, sobretudo ao nível das comunicações na altura da tragédia e, posteriormente, na aplicação das ajudas financeiras e logísticas à população afectada.
Contudo, mais importante que apontar culpados, é garantir que se aprende com os erros e se encontram formas de evitar que situações semelhantes voltem a ocorrer.

J.A.-O aumento de desemprego gerou muita pobreza e, estando esse concelho inserido num dos distritos considerados de maior carência económica, como está essa autarquia a gerir esse problema?
P.J.- Pensando que se estão a referir ao Concelho de Pedrógão Grande, devo referir que pertence ao Distrito de Leiria que não está, seguramente, nos distritos de maior carência económica.
Naturalmente esta calamidade gerou pobreza e é necessário que todas as ajudas disponibilizadas cheguem ao destino.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente, no nosso país, e qual a causa/efeito?
P.J.- O aumento da violência doméstica e da violência em geral, decorre da evidente crise de valores que grassa na nossa sociedade.
Num caso ou outro poderão existir causas financeiras que agravam a situação, mas o respeito pelos outros é fundamental para uma vida social sadia.

J.A-O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J.- Posso replicar a resposta anterior?

J.A-O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade, entre a juventude?
P.J.- A crise de valores, sempre a crise de valores e uma juventude cada vez mais narcisista, egoísta e sem respeito pelos outros.

J.A.-Que apoio presta a autarquia aos mais idosos?
P.J.- A JF Bidoeira de Cima adopta uma política de vigilância discreta sobre os casos sociais que vão sendo detectados e tenta dar resposta através da Comissão Social de Freguesia e do apoio às instituições de apoio social existentes na freguesia.

J.A.-Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?

P.J.- Vou elencar dois problemas: A gestão do problema da extensa área florestal (privada) que nos rodeia, no que respeita ao ordenamento florestal, abertura e manutenção de caminhos florestais e limpeza de terrenos tendo em vista a prevenção e combate a incêndios florestais.
O problema ambiental decorrente da indústria pecuária existente na nossa freguesia.

J.A.-Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J.- É necessário colocar na agenda uma nova fase de construção de saneamento básico e consequente requalificação viária da área a intervencionar e procurar soluções para manter as nossas empresas no espaço geográfico da freguesia e captar novos investimentos através da construção de uma zona industrial devidamente infra-estruturada e apelativa para os empresários.

J.A.-Que perspetivas tem para o futuro do freguesia?
P.J.- A nossa freguesia, pela qualidade do seu tecido empresarial, pela sua localização e pela dinâmica das suas colectividades, tem conseguido manter a estabilidade do número de habitantes e um orgulho latente da sua condição de bidoeirenses.
Assim, não tenho dúvida em afirmar que somos e vamos continuar a ser uma freguesia com futuro!

J.A.-Como é a situação financeira da autarquia?
P.J.- A nossa freguesia, não tendo receitas próprias relevantes, vive com grandes dificuldades financeiras.

J.A.-Qual o apoio que a câmara presta às juntas de freguesia?
P.J.- A Câmara Municipal de Leiria apoia as freguesias do concelho com uma política de investimentos devidamente avaliados, projectados e programados tendo em vista suprir as carências da população.
Naturalmente a Junta de Freguesia é parte importante na detecção das prioridades e na pressão para a sua resolução.

J.A.-Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J.- Neste momento, pós eleições autárquicas, a principal mensagem que me ocorre é reforçar a necessidade de união entre todos esquecendo pequenas rivalidades e unir esforços para elevar, bem alto, o nome da nossa freguesia.

J.A.-Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?

P.J.- Pedindo compreensão à minha família que todos os dias é prejudicada pela prevalência da vida autárquica sobre a vida pessoal, familiar e profissional.

J.A.-Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J.- Uma mensagem de gratidão pelo trabalho desenvolvido na divulgação e defesa do trabalho das autarquias locais e dos respectivos autarcas, em defesa dos interesses das suas populações.

Go top