JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Abril 2019 - Nº 138 - I Série - Açores

Açores

Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia Matriz

Laurénio Tavares

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.J. - Os principais sectores de atividade desta freguesia são o comércio e os serviços. A atividade turística tem vindo a expandir-se, nomeadamente na vertente da procura e da oferta, nomeadamente na área do alojamento local, sendo um importante pilar da economia da freguesia.

J. A. – O aumento do desemprego gerou muita pobreza, como está essa freguesia a gerir esse problema?
P.J. - Por esta ser uma freguesia de centro urbano e por nesta se situarem a maioria dos serviços da administração local e regional, a par da atividade comercial, o desemprego não atingiu grande dimensão pelo que os índices da pobreza não tiveram um grande aumento.

J. A. – O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente no nosso país e qual a causa e efeito?
P.J. - O flagelo da violência doméstica merece o nosso total repúdio, sendo no nosso entender uma nódoa civilizacional que a todos deve envergonhar.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.J. - A delinquência infantil em qualquer meio é uma infeliz e preocupante realidade da nossa sociedade que a todos deve preocupar, o que exige a maior atenção dos poderes instituídos, tanto escolares, como políticos ou da ordem pública, a par do reforço de ações pedagógicas de educação e de prevenção na comunidade escolar e junto das famílias.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J. - Qualquer tipo de violência é condenável e transversal a toda a sociedade. Como já anteriormente dissemos é uma nódoa civilizacional que a todos deve preocupar e envergonhar, o que no nosso entender merece a maior atenção e atuação dos poderes políticos, da ordem pública e da justiça.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.J. - Felizmente a freguesia da Matriz não se debate com graves problemas de ordem social e quando estes são identificados, esta autarquia por regra diligencia o seu encaminhamento para as instituições com capacidade de atuação nesta área.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.J. - Os maiores problemas com que esta freguesia se debate são a desertificação e a degradação de imoveis no centro urbano.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J. - Carecem de maior intervenção a reabilitação da rede viária, a manutenção de equipamentos públicos e a preservação do património histórico.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.J. - Perspetivamos para o futuro desta freguesia que continue a assumir-se na sua importância e estatuto, e que evolua na singularidade de ser o centro histórico, administrativo, político, autárquico, comercial e cultural da cidade da Horta.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos? E porquê investir nessa freguesia?
P.J. - Nos mais variados fóruns procuramos dizer que a freguesia da Matriz se destaca pela sua centralidade, diversidade e tranquilidade, que é rica no seu vasto património histórico, natural e edificado – em que sobressai o património religioso – que oferece o acesso fácil à maioria dos serviços, do comércio e de equipamentos culturais, que é um bom sitio para viver ou para investir.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.J. - É estável dentro das limitações financeiras próprias das Juntas de Freguesia de territórios de pequena dimensão.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.J. - O principal apoio da Câmara Municipal às freguesias do concelho traduz-se na celebração de Acordos de Execução e de Contratos Interadministrativos de Delegação de Competências.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J. - Queremos reiterar o nosso compromisso eleitoral de trabalhar para o bem-estar social e para o progresso da freguesia, e tudo fazer para dignificar e honrar o bom nome desta freguesia. Os fregueses da Matriz podem contar sempre com a sua Junta de Freguesia.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.J. - Com muito empenho, dedicação e compreensão familiar.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J. - Que prossiga o seu meritório trabalho de informar e de promover e divulgar as autarquias portuguesas.

Laurénio Tavares

Go top