Março 2015 - Nº 101 - I Série - Santarém - Inscrito no ERC sob o nº 125290  
Santarém
 

Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere

Pedro Manuel dos Santos Alberto

 

J.A.-Qual a sua opinião sobre a situação política actual?

P.J.-Atualmente a nossa política está numa situação crítica. O anterior governo adotou medidas, que embora, com os sacrifícios de todos os Portugueses, nomeadamente dos Portugueses com menos posses e da classe trabalhadora, ajudaram na decisão económica do país, e quando achávamos estar no bom caminho, vêm as eleições e a formação de um governo, que alterando todo estes esforços do Povo Português, esperámos que não coloque o país pior.

J.A.-Que pensa sobre as novas medidas anunciadas por este governo em exercício?

P.J.-Tenho algumas duvidas sobre a medidas anunciadas por este governo . Espero que todo o esforço e sacrifício dos Portugueses não tenha sido em vão. Deveria haver um seguimento do que estava a ser feito pelo anterior governo, para que tudo o que foi alcançado não vá “por água abaixo” e nos deixe à beira da bancarrota. Não se pode dar ou oferecer o que não se tem. Oos Portugueses começavam a habituar-se à nova vida, a de poupança e sacrifício, que, claro, não queríamos para sempre, mas que penso ter sido mais seguro se continuássemos a fazer esse esforço até estarem resolvidos os problemas de maior do nosso País.

J.A.-O aumento de desemprego gerou muita pobreza e, estando essa freguesia inserida num dos distritos considerados de maior carência económica, como está essa autarquia a gerir esse problema?

P.J.-É um problema que ultrapassa as capacidades desta autarquia, no entanto foi criado um gabinete de inserção profissional em colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, que facilita a interligação dos desempregados com aquele Instituto, encurtando a distância e facilitando a interlocução.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente, no nosso país, e qual a causa/efeito?

P.J.-Penso que uma das causas deste aumento possa ser um reflexo da crise, na medida em que a por falta de condições normais de sobrevivência, os conflitos são potencializados. Nos tempos que correm os casais e mais uma vez, devido às condições económicas, depois do divórcio, continuam a viver na mesma casa, o que intensifica as discussões.

Outra causa será também, e de uma forma geral, a ausência de alguns valores como o respeito, a entreajuda, a humildade, entre outros.

De referir que no meio de tudo isto, as crianças, que muitas vezes são apanhadas no meio das discussões dos pais, sofrem também elas, as consequências desses atos.

J.A.-Qual a vossa opinião sobre a emigração dos nossos jovens, principalmente os mais credenciados?

P.J.-É um problema que o país terá que saber ultrapassar, e que irá no futuro trazer alguns problemas em certas áreas, por falta de mão-de-obra credenciada.

J.A.- Qual a vossa opinião sobre a aceitação de refugiados?

P.J.-É um assunto muito delicado, são pessoas que já passaram muitas dificuldades no seu País e tal como outros merecem a melhor atenção.

J.A.-Que apoio presta a autarquia aos mais idosos?

P.J.-Desde que este executivo entrou em funções (finais 2009), facultamos apoio no preenchimento de toda a documentação que necessitam, nomeadamente formulários da Segurança Social, telecomunicações, assuntos relacionados com as Finanças, inclusive na declaração anual de IRS.

De salientar também que os membros e colaboradores desta Junta de Freguesia estão ao dispor de todos os fregueses para ajudar no que for necessário.

J.A.-Pedimos que nos faça uma síntese da sua freguesia.

P.J.-Ferreira do Zêzere, freguesia e sede de Concelho. Situada no centro de Portugal, distrito de Santarém, é uma vila cheia de encantos que prima pelas suas belas paisagens verdejantes e pelo seu ex-líbris, o Rio Zêzere. Os ferreirenses, gente de bons costumes e acolhedores, sempre dispostos a receber quem por cá passa. Também a gastronomia é um ponto forte desta vila ribatejana, o cabrito assado, o leitão à ferreirense ou os tradicionais doces regionais como os bons maridos, as boas esposas e a nossa principal iguaria, a Tigelada, são especialidades a experimentar. Ferreira do Zêzere conta também com uma vasta oferta cultural, como a Feira e Mostra de S. Brás, uma feira anual organizada pela Junta de Freguesia. Este evento é uma recreação das feiras dos anos 30, onde os participantes trajados à época mostram alguns objectos e tradições do antigamente. Durante todo o dia podem ainda desfrutar da atuação dos ranchos folclóricos do concelho, teatro de rua, exposições, venda e mostra de artesanato e velharias, gastronomia e muita animação.

Temos também a Semana da Freguesia que decorre em Setembro, onde realizamos uma Caminhada Noturna, um Passeio Sénior, Corrida de Barcos Três Tábuas e Concurso de Pesca.

A nível desportivo e no sentido de conhecer melhor a nossa Freguesia, temos também variadíssimas actividades que pode realizar, e assim ficar a conhecer melhor todos os encantos que Ferreira do Zêzere tem, tais como Percursos Pedestres, devidamente sinalizados, BTT, Ciclismo, Caminhadas e Trails.

Excelentes atrativos para nos visitarem.

J.A.-Qual o maior problema com que a sua freguesia se debate?

P.J.-Como em quase todo o país, o maior problema é a falta de emprego. Como somos uma Vila do interior do país e as empresas concentram-se principalmente nas grandes Cidades, as pessoas são obrigadas a saírem das suas terras e procurar novas oportunidades, tanto nas ditas grandes cidades como no estrangeiro. Como consequência temos o envelhecimento da população.

J.A.-Que outros problemas necessitam de maior intervenção?

P.J.-Como a nossa Freguesia é bastante envelhecida, seria talvez nesta área que deveria haver maior intervenção, nomeadamente estar mais perto da população, desenvolvendo mais ações de sensibilização, informação, apoio e atividades na área musical, informática, artesanal, entre outras, mantendo-os mais ocupados.

Mais apoio aos jovens no que diz respeito às ofertas de emprego, trazendo e desenvolvendo empresas para o nosso Concelho, isto para que os jovens também se fixem no centro do país e não abandonem o país onde gostariam de viver, para ir à procura de oportunidades de trabalho.

J.A.-Que perspetivas tem para o futuro da freguesia?

P.J.-Gostaríamos de poder, no futuro, ter um maior leque de empresas na Freguesia, pois existe uma vontade dos nossos jovens se fixarem, desde que existam condições.

J.A.-Como é a situação financeira da autarquia?

P.J.-Como a maioria das freguesias do País, gostaríamos de ter mais verbas para poder satisfazer as necessidades da freguesia. Mas temos conseguido, do pouco disponibilizado, equilibrar a mesma.

J.A.-Qual o apoio que a câmara presta às juntas de freguesia?

P.J.-A Câmara faculta apoio humano, material e equipamentos

J.A.-Que tipo de envolvimento a população tem com a autarquia?

P.J.-Tentamos organizar diversos eventos, para que a população se envolva com a autarquia. Estamos também sempre disponíveis para responder a alguma necessidade ou reclamação, porque a autarquia existe para a população.

J.A.-Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?

P.J.-Esperamos poder corresponder às necessidades, e estaremos sempre disponíveis para os ouvir e ajudar dentro das possibilidades da Freguesia e das nossas competências.

J.A.-Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?

P.J.-Com um grande esforço, tanto pessoal como da própria família, havendo casos em que eles ficam prejudicados.

J.A.-Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?

P.J.-Desejamos as maiores felicidades e continuação na melhor divulgação das Autarquias.

©2007-2017 Jornal das Autarquias Elaborado e mantido por: WEBDEVICE