Março 2015 - Nº 101 - I Série - Santarém - Inscrito no ERC sob o nº 125290  
Santarém
 

Entrevista ao Presidente da Junta de Freguesia dos Bugalhos

José Luís Gomes Ramos

   

J.A.-Qual a sua opinião sobre a situação política atual?

P.J.-Atualmente a politica Portuguesa carece de respeito e acreditação de todos os cidadãos porque muito dos politicos mais ao nivel central tem desempenhado de forma negativa o cargo para o qual foram eleitos. Ainda assim, gosto imenso da minha atividade politica, porque estou juntamente com os meus colegas de equipa na primeira linha de apoio ás populações e queremos sempre mais e melhor para a nossa terra, mas, sem deixar de ser razoavel e correto.

J.A.-Que pensa sobre as novas medidas anunciadas por este governo em exercício?

P.J.-Concordo com muitas delas, dado que apenas estão a repor os direitos aos Portugueses, foram retirados pelo anterior governo em nome da sustentabilidade, mas a divida Portuguesa subiu ainda mais em vez de descer e nunca nos deram um bom exemplo a seguir. Não é com aumento de impostos e cargas fiscais que vamos la. Num pais democratico todos fazem falta, todos os extratos sociais tem de issistir, mas não se retira tudo a quem pouco tem, para dar a quem muito tem. Defendo que os 4 pilares de uma Naçãp sejam para todos, os transportes publicos, a saude publica, a educação publica, a justica publica (mas esta que funcione),...

Mas tambem nao concordo com algumas medidas, não concordo com diferencas nos horarios de trabalhos entre publico e privado, quero com isto dizer que todos devem trabalhar 40 horas semanais, não concordo com varios sistemas de saude para publico e privado, não concordo com subvençoes dos politicos, ...

J.A.-O aumento de desemprego gerou muita pobreza e, estando essa freguesia inserida num dos distritos considerados de maior carência económica, como está essa autarquia a gerir esse problema?

P.J.-Atualmente e felizmente o Concelho de Alcanena e neste caso concreto a Freguesia de Bugalhos não se enquadra na linha do Distrito de Santarem, Alcanena é o 2º Concelho ao nivel nacional com MENOS DESEMPREGO de Portugal, isso deve-se obviamente ao nosso sector empresarial dos curtumes, entre muitas outras empresas ha aposta dos mesmos nos mercados internacionais, que resultaram em grandes contratos, que por sua vez empregam a maioria das populações residentes quer no Concelho, na Freguesia bem como arredores. A juntar aos curtumes, temos em Bugalhos a transbase do intermarche, que emprega direta e indiretamente mais de um milhar de pessoas. Neste capitulo, estamos bem.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente, no nosso país, e qual a causa/efeito?

P.J.-A Freguesia de Bugalhos, tem uma Comissão Social de Freguesia composta pelos elementos da comunidade e instituções locais, estamos sempre atentos a tudo o que nos rodeia. Em termos Concelhio estamos inseridos no Centro Local de Ação Social do Municipio de Alcanena que nos apoia integralmente nestas materias e felizmente temos poucos casos de violencia domestica, sendo que aqueles que temos, são apoiados e encaminhados ate á sua resolução e rientegração novamente na sosiedade local.

J.A.-Qual a vossa opinião sobre a emigração dos nossos jovens, principalmente os mais credenciados?

P.J.-Essa fragelidade, já existiu ha muitos anos a tras, temos hoje muitos dos nossos seniores que tiveram de procurar melhor vida alem fronteiras, hoje ainda temos bastantes, o que para nós nos preocupa muito, porque os jovens ativos são o pilar principal de uma sociedade que se quer dinamica para sabermos e podermos apoiar as camdas mais jovens. Como eu referi ha pouco, a facto de termos pouco desemprego, também temos poucos jovens a emigrar para procurar trabalho fora. Quanto aos que um dia tiveram de sair, ..., estão de volta a sua terra natal.

J.A.- Qual a vossa opinião sobre a aceitação de refugiados?

P.J.-A aceitação de refugiados, é aquela que se quer transmitir. Por erros de alguns, não se culpam todos. Evidentemente que os aceitaremos se for o caso, mas será sempre ponto de exigencia, as regras das casa são para cumprir, nela sera bem recebido e ficara quem as cumprir. Ate á presente data, não recebemos ninguem, porque tambem não houve porpostas.

J.A.-Que apoio presta a autarquia aos mais idosos?

P.J.-A autarquia colabora com a IPSS da freguesia no apoio directo aos idosos juntamente com a Camara Muncipal de Alcanena e com o apoio direto da base do intermarche, temos um banco social alimentar do Municipio, temos o sistema do help-phone para os casos de maior solidão ou isolamento, temos o gabinete de apoio ao idoso da Freguesia que sempre que se justifique entra em contacto com os idosos telefonicamente ou presencialmente, ajudamos no preenchimento de documentação necessaria (irs, etc), estamos convictos que prestamos um bom apoio, mas sempre em melhoramento.

J.A.-Pedimos que nos faça uma síntese da sua freguesia.

P.J.-A Freguesia de Bugalhos pertence ao concelho de Alcanena, distrito de Santarém.
 Situa-se acerca de 3 Km para sudeste da sede de concelho, na margem esquerda do rio Alviela, afluente do Tejo.
Com uma área de 16 600 m2. É a 3ª maior freguesia em área do concelho.
É composta por 7 lugares;

Bugalhos
Filhós
Casal Saramago
Poisados
Monte Branco
Casais Romeiros
Bairro da Arrangela

Com cerca de 1300 habitantes, 1000 eleitores. Somos a 1ª freguesia do concelho de Alcanena, em número de aldeias e lugares.
A Freguesia de Bugalhos foi fundada em 1219, fazendo desta Freguesia uma das mais antigas da região.
Desde muito cedo que a Freguesia alcançou valores demográficos apreciáveis, porém essa característica foi-se diluindo com o decorrer dos séculos, chegando ao século XX com pouco mais de mil habitantes. Começado a sofrer os efeitos da emigração, muitos foram os naturais que enveredaram por esse caminho. Os países de destino foram principalmente, a França, a Alemanha, os Estados Unidos da América e o Canadá. Assim, no espaço de uma década, entre 1981 e 1991, Bugalhos sofreu uma quebra demográfica de 10%, passado de 1.093 para 985 habitantes, alojados em 442 habitações. Actualmente residem na Freguesia cerca de 1.300 habitantes, destes 1000 são eleitores.
 
Com uma taxa de actividade que se poderá classificar de mediana, a fonte principal de riqueza continua ainda, no sector primário da economia, estando ainda cerca de um quinto da população activa dedicada à agricultura, da qual extraem fundamentalmente produtos como a azeitona e o seu derivado o azeite, o vinho e os frutos, no qual se destacam os figos. Mas também a pecuária desempenha um relevante papel dinamizador da actividade económica, sendo mesmo alvo de aplicação de fluxos de investimento por parte de agricultores.
O sector secundário colocou já o pé na Freguesia, através de unidades de pequena industria, de que destacam as produções de doçaria regional.
Também o sector terciário não se quer de fora do contexto económico da Freguesia sendo de realçar o estabelecimento de empresas distribuidoras através da instalação dos seus serviços de apoio. Mas também outras empresas desde, curtumes, construção civil, reparação e manutenção.

A rede escolar possui a amplitude habitual em freguesias congéneres, com estabelecimentos de ensino pré-escolar e do 1º ciclo, estando as escolas que oferecem outros graus de ensino situadas em Alcanena, a pouco mais de 4 km da freguesia.
Devido a proximidade, os cuidados de saúde encontram na sede de concelho. Quanto à acção social esta, é exercida pelos profissionais e voluntários que aplicam o seu esforço no centro de Convívio da 3ª Idade e também com o Gabinete de Apoio ao Idoso com atendimento na sede da Junta de Freguesia.

Na área desportiva, existem muitas estruturas que permitem a prática de desporto, muitas delas desenvolvidas por associações e colectividades onde se pratica, o Basquetebol, andebol, futebol de cinco e ténis. De salientar o Parque desportivo de Bugalhos, onde esta instalada a Escola de Futebol do Conselho de Alcanena, que abrange a camada mais jovem, compreendida entre os 7 e os 15 anos. Neste parque também existe o Circuido te Manutenção, que esta integrado na Rota das Fontes Naturais.Também outras colectividades como, o Grupo Desportivo e Recreativo da Graça em Bugalhos, (Gimnodesportivo coberto), O Centro Recreativo, Cultural e Social de Filhós (Gimnodesportivo coberto), Grupo Desportivo e Recreativo “Os Rápidos”, Centro Social e Cultural de Pousados, desenvolvem estas práticas desportivas.

Em termos culturais, a freguesia esta muito bem servida de Festas e Romarias, muitas delas dedicadas aos Santos Padroeiros. Bem como O Fim-de-semana Radical, as Caminhas pelo Concelho, O Festival do Chícharo, Concentração de Vespas, as Tasquinhas em Bugalhos, Encontro Equestre, Festival das Comidas da Avó, etc. Também possui uma biblioteca e dois salões para a realização de festas e espectáculos.
 Orgulhando-se da sua igreja matriz, dentro da qual se pode vislumbrar uma imagem em pedra, da Senhora da Graça, do século XVI, erguida num pequeno planalto à saída da povoação, em cujo adro existe um cruzeiro que vem desde o ano de 1732. Existem também várias capelas, nomeadamente a Capela de Santo Amaro e Capela de Pousados.
Em Filhós existe algumas azenhas, destinadas à moagem com restos das técnicas de hidráulica usadas para desviar o cursos do Rio Alviela como o açude e canais de derivação, bem como maquinismos do seu antigo funcionamento. No lugar do Sorinho, podem ainda ver-se duas azenhas e uma antiga fábrica de curtumes com 16 açudes e correspondente quatro condutas de despejo para o rio, situando-se um pouco à frente a moagem do Moseiro, a única em funcionamento, mas mediante a utilização de energia eléctrica. Por fim, as margens do Alviela dão ainda uma pequena ideia da beleza outrora pujante do rio, a que a poluição pôs fim, esperando-se que os projectos de despoluição existentes, devolvam aquilo que já foi do rio a pureza das águas e a beleza das margens.
Bem localizada, sendo servida pela A1 e A23, Nac3, Reg361, para o tráfego de longa distancia, complementado o acesso a estes eixos rodoviários através de estradas municipais. Bugalhos não sofre do Afastamento das vias de acesso.

J.A.-Qual o maior problema com que a sua freguesia se debate?

P.J.-Falta de dinheiro enviado pelo Governo central.

Cada vez mais temos todo o tipo de competencia impostas por lei e cada vez mais temos menos dinheiro dos fundos de financiamento das Freguesias enviado pelo Estado Portugues.

J.A.-Que outros problemas necessitam de maior intervenção?

P.J.-Conclusao da reavaliação urgente do PDM do Concelho de Alcanena para que de uma vez por todas possamos colocar

J.A.-Que perspetivas tem para o futuro da freguesia?

P.J.-Criar condições para instalar mais fammilias jovens.

J.A.-Como é a situação financeira da autarquia?

P.J.-Estavel, muito estavel. Não devemos o que não temos.

J.A.-Qual o apoio que a câmara presta às juntas de freguesia?

P.J.-Toda a possivel e imaginaria, temos uma Camara Municipal que nos presta todo o apoio a todos os niveis e num prazo bastante bom.

J.A.-Que tipo de envolvimento a população tem com a autarquia?

P.J.-Pode se dizer que tem um envolvimento interessante, presencialmente, online..., sempre em contacto directo.

J.A.-Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?

P.J.-Envio os nossos slogans, a nossa marca e imagem, porque emduas frases dizemos tudo e e população sabe.

“As dificuldades dão força à nossa vontade, juntos construimos o futuro”

“JFB Trabalhamos para si...”

J.A.-Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?

P.J.-Envolvendo a minha familia nestas andanças. Assim resolvemos dois problemas, embora que nos sacrificamos muito em prol da vida autarquica mas compensar-se-á no futuro espero eu.

J.A.-Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?

P.J.-O trabalho de um autarca, sem a vossa grande ajuda, por vezes de nada vale.

Grato por olharem para nós.

Bem hajam.

©2007-2017 Jornal das Autarquias Elaborado e mantido por: WEBDEVICE