Dezembro 2016 - Nº 110 - I Série - Braga e Viana do Castelo - Inscrito no ERC sob o nº 125290  
Braga e Viana do Castelo
 

Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Vila Verde e Barbudo

José Luís Soares Faria

 

J.A.-Qual a sua opinião sobre a situação política atual?

P.J.-A Situação politica atual segundo os dados conhecidos, tanto a nível nacional como

internacional têm sido uma agradável surpresa.

J.A.-Que pensa sobre as novas medidas anunciadas por este governo em exercício?

P.J.-As novas medidas anunciadas e algumas já postas em práticas têm sido de especial importância para o bem estar das populações/funcionários públicos, pois tem aumentado a confiança e o poder de compra das pessoas

J.A.- Sendo essa região uma das mais fustigadas pelos incêndios, quais as medidas a adoptar, de futuro; para minimizar tais calamidades?

P.J.-A principal medida a adotar é a prevenção, tudo passa por tomar medidas, medidas essas que terão de ser cumpridas por todos, particulares e autarquias. Os focos de incêndios terão que ser eliminados ao máximo.

J.A- Quais os auxílios (por parte do governo) que tem recebidos para ajudar a colmatar os efeitos causados, tanto a nível da autarquia como nível de particulares?

P.J.-Os auxílios têm sido insignificantes, mas em meu entender os auxílios têm que ser disponibilizados para a prevenção

J.A.- Em seu entender acha que as forças militarizadas deveriam estar preparadas para ocorrerem a estas situações?

P.J.-Sem dúvida, incluí-las também na prevenção

J.A.-O aumento de desemprego gerou muita pobreza e, estando essa freguesia inserida num dos distritos considerados de maior carência económica, como está essa autarquia a gerir esse problema?

P.J.-Na freguesia que presido, felizmente não são tantos os casos, e os que existe estão a ser acompanhados pelas autarquias e as conferências, assim como associações

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente, no nosso país, e qual a causa/efeito?

P.J.-Infelizmente è verdade que a violência doméstica, apesar de em termos de justiça se terem agravado as penas, está a aumentar, acho que a atual conjutura, a falta de segurança nos empregos, a falta de cumplicidade entre os casais e a perda de respeito pelo outro são a causa/efeito deste problema.

J.A-O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?

P.J.-Que é um problema que toda a sociedade e principalmente os políticos vão ter que fazer uma reflexão profunda.

J.A.-Qual a vossa opinião sobre a emigração dos nossos jovens, principalmente os mais credenciados?

P.J.-É lamentável que depois do investimento que é feito para formar os jovens, estes, depois do Estado fazer um avultado investimento têm que ir para outro país a custo zero. Acho que é um dos grandes problemas que Portugal tem que resolver.

J.A.-Que apoio presta a autarquia aos mais idosos?

P.J.-Esta autarquia sempre se preocupou com os idosos, temos ao longo dos anos tentando manter esta classe etária o mais activa possível, para isso, temos ginástica, dança, cursos de línguas, informática, etc

J.A.-Qual a vossa opinião sobre a emigração dos nossos jovens, principalmente os mais credenciados?

P.J.-Embora agora tivesse mudado um pouco, devido á agregação da antiga freguesia de Barbudo, posso dizer que estamos numa freguesia que tem todas as instituições necessárias para que a sua população não tenha necessidade de se deslocar a outro local.

J.A.-Pedimos que nos faça uma síntese da sua freguesia.

P.J.-É uma freguesia sossegada, tranquila, segura, encontra-se a 10 minutos da cidade de Braga e que em termos de instituições e infra-estruturas, embora não as ideais, pode se considerar boas.

J.A.-Qual o maior problema com que a sua freguesia se debate?

P.J.-Com a nova realidade é a falta de saneamento, ainda não temos cobertura ideal, a 100%

J.A.-Que outros problemas necessitam de maior intervenção?

P.J.-As estradas da freguesia ( algumas ) estão a precisar de intervenção

J.A.-Que perspetivas tem para o futuro da freguesia?

P.J.-As perspetivas são positivas, pois estou convencido que as lacunas existentes serão resolvidas a breve prazo

J.A.-Como é a situação financeira da autarquia?

P.J.-A situação financeira da autarquia é boa, pois só damos o passo que a “perna” pode dar, é evidente que os orçamentos das juntas de freguesias estão muito aquém das necessidades

J.A.-Qual o apoio que a câmara presta às juntas de freguesia?

P.J.-A câmara tem sido um grande parceiro das juntas, pois sem o seu apoio não seria possível fazer muitas das obras levadas a cabo nas nossas freguesias.

J.A.-Que tipo de envolvimento a população tem com a autarquia?

P.J.-O envolvimento população/autarquia é cada vez mais envolvente, as iniciativas acima descritas fazem com que cada vez aja uma maior abertura e diálogo entre as duas partes.

J.A.-Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?

P.J.-Que estamos aqui por vocês e ao vosso serviço, fazendo que tenham cada vez mais qualidade de vida e possam dizer que é bom viver na freguesia de Vila Verde e Barbudo.Aproveito para desejar a todos um Santo Natal e um Prospero Ano Novo.

J.A.-Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?

P.J.-Quero dar os parabéns ao Jornal por dar oportunidade de me expressar sobre a minha freguesia, dando um importante contributo na divulgação da atividade autárquica, assumindo um papel importante na valorização das localidades.

©2007-2017 Jornal das Autarquias Desenvolvido por Webdevice