logo  

JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Outubro 2017 - Nº 120 - I Série - Coimbra

Coimbra

João Manuel Carvalho

Entrevista ao Presidente da União de Freguesias de Semide e Rio Vide

João Manuel Carvalho

J.A.- Qual a sua opinião sobre a situação política atual?
P.U.F.- Penso que situação política atual é mais favorável, do que a do governo anterior.

J.A.- Sendo essa região uma das mais fustigadas pelos incêndios, quais as medidas a adoptar, de futuro; para minimizar tais calamidades?
P.U.F.- No meu entender deve-se apostar no planeamento e ordenamento florestal; bem como, na educação cívica e ambiental, tendo como preocupação manter os caminhos limpos.

J.A.- O aumento de desemprego gerou muita pobreza e, estando essa freguesia inserida num dos distritos considerados de maior carência económica, como está essa
autarquia a gerir esse problema?
P.U.F.- Esta união de freguesias está, em colaboração com algumas instituições e entidades da região, a tentar minimizar esta situação, no sentido de diminuir a carência económica.

J.A- O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente, no nosso país, e qual a causa/efeito?
P.U.F.- Penso que o aumento da violência doméstica, está relacionado com algumas problemáticas atuais, nomeadamente a crise económica, o alcoolismo e toxicodependência.

J.A. O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.U.F.- É perceptível que assistimos a uma alteração qualitativa da criminalidade, traduzida no aumento da violência, nem sempre física, por vezes gratuita, e quase sempre desproporcionada, associada à prática de um conjunto de crimes, cuja visibilidade e impacto mediático são também cada vez maiores.

J.A.- Qual a vossa opinião sobre a emigração dos nossos jovens, principalmente os mais credenciados?
P.U.F.- A minha opinião sobre a emigração dos nossos jovens é bem clara, estes jovens tiveram uma formação qualificada e criaram expectativas para um futuro no seu próprio país, foi neles que o nosso país investiu, para ter jovens credenciados, para o desenvolvimento do mesmo. Hoje com a emigração são outros países, que estão a usufruir dessas competências.

J.A. – A vinda de refugiados tem causado alguma celeuma. Que opinião tem sobre este tema?
P.U.F.- A aceitação de refugiados é que se trata de um dever de qualquer país civilizado.

J.A.- Que apoio presta a autarquia aos mais idosos?
P.U.F.- Esta autarquia tem colaboração com a Santa Casa da Misericórdia de Semide, que presta apoio aos idosos, com diversas valências, designadamente, Cento de Dia, Apoio Domiciliário e Cozinha Solidária.

J.A.- Qual o maior problema com que a sua freguesia se debate?
P.U.F.- O maior problema com o qual esta união de freguesias se debate é, sem dúvida, o saneamento. Contudo, está este em curso.

J.A.- Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.U.F.- O aumento da esperança média de vida veio aumentar a necessidade de apoio à Terceira Idade. Cada vez existem mais pessoas idosas a necessitar de apoio permanente e que não têm capacidade para a realização das suas necessidades básicas. Neste sentido, a construção de um Lar de Noite para idosos e pessoas dependentes seria uma mais-valia para esta união de freguesias.

J.A.- Que perspetivas tem para o futuro da freguesia?
P.U.F.- Tenho várias perspetivas para o futuro, uma das quais passa pela Restauração do Convento de Santa Maria, monumento da história desta região. A nível social, encontra-se aprovado um projecto para a construção de um Lar para Idosos, que será da responsabilidade da Santa Casa. Muitas mais estão na minha mente, que oportunamente divulgarei.

J.A.- Como é a situação financeira da autarquia?
P.U.F.- A situação financeira da autarquia é boa. Temos feito uma gestão com bastante clareza e honestidade, tendo sido fundamental o apoio do Município.

J.A.- Qual o apoio que a câmara presta às juntas de freguesia?
P.U.F.- Quanto à nossa união de freguesias, a câmara tem prestado um bom apoio dentro das suas competências, designadamente com os contratos inter-administrativos.

J.A.- Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.U.F.- Esta união de freguesias está sempre disponível para melhorar as acessibilidades dos lugares, preservando-os, limpando-os para que esta continue a ser um local atractivo, de modo a fixar a população jovem e para outros que desejem fixar-se nesta união de freguesias.

J.A. - Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.U.F.- A vida de autarca não é fácil, muitas vezes tenho de sacrificar a minha vida pessoal e familiar para estar mais disponível. Contudo, tenho o privilégio de estar aposentado, o que me permite dispor de tempo para a família e para uma maior proximidade com a população.

J.A.-Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.U.F.- Ao jornal quero desejar as maiores felicidades e os parabéns pela vossa iniciativa.

Go top